04/05/11


Merecida vitória habilita Estácio à fase seguinte da Série B

O leitor atento às matérias e colunas da qualificada equipe de repórteres do PAPO ESPORTIVO, cujo comando é de Jota Carvalho, acompanhou a importante vitória do Estácio sobre o então líder do Grupo “A”, Bonsucesso, um forte candidato ao acesso, que é dirigido pelo competente treinador Manoel Neto. Na foto vemos o presidente do Estácio, Rogério Alves, ladeado pelo herói da contenda, Fabiano, autor do solitário gol da peleja. Mesmo tendo perdido gás após a saída do técnico Júlio Marinho, cuja competência é inquestionável, a equipe deu a volta por cima motivada pelo sentimento de superação. “Na próxima fase se inicia um novo campeonato. Muitos times em edições anteriores fizeram uma excelente primeira fase, mas pereceram na segunda. Portanto, temos totais condições de alcançarmos uma das duas vagas em disputa à elite do futebol do Rio de Janeiro, feito que seria inédito para o nosso clube”, declarou o satisfeito dirigente.

Clubes da Série B são contrários à realização do Torneio da Morte

Com o término da primeira fase do Campeonato Estadual da Série B, ficou definido que os seis times de pior campanha, independente de chaves, disputarão o Grupo “X”, o qual rebaixará mais dois à Série C. É importante frisar que o Aperibeense já caíra por conta da não quitação de borderôs à Federação, o que levou à sua suspensão e posterior banimento do certame. Profute, Miguel Couto e Floresta também desceram por terem optado em não disputar a competição. Já o Guanabara, também afligido pela medida, recorreu ao TJD na tentativa de manter-se na mesma divisão. São Cristóvão, Itaperuna, CFZ do Rio, Mesquita, Artsul e Cardoso Moreira lutarão para continuarem no mesmo módulo. Contudo, a realização do torneio é algo bastante questionado, em especial pelo Cardoso Moreira, em razão de uma grande polêmica que envolve as recentes suspensões de Mesquita e Itaperuna. De acordo com o Regulamento Geral das Competições um time se perder de WxO por três vezes está eliminado. Mas, o Tubarão da Baixada ao longo do certame se ausentou por nada mais, nada menos, do que quatro. A situação já lhe colocaria na condição de rebaixado, além de sumariamente eliminado do certame. Por sua vez, o Itaperuna, que está novamente suspenso por falta de pagamento, também teria faltado a três jogos. Seria, por isso, o terceiro a ser rebaixado. O bom senso, que estaria em consonância com o próprio regulamento, inviabilizaria totalmente a realização do famigerado Grupo da Morte. A verdade é que ninguém quer cair, além de ter mais despesas com esse torneio.

Técnico da semana: Anselmo Silva, do Juventus

Anselmo da Silva, 46 anos, é natural da cidade do Rio de Janeiro. Foi um atleta revelado nas categorias de base do Vasco. Atuava como zagueiro e, posteriormente, volante. Após quatro anos, deixou o Gigante da Colina, em 1982, para jogar, em seu último ano como júnior, pelo Bonsucesso. No Leão da Leopoldina permaneceu por dois anos alcançando o elenco profissional. Grêmio Jaciara (MT) e Santa Helena (GO) seriam outros clubes pelos quais Anselmo desfilaria antes de encerrar sua carreira no Tomazinho, o prestigioso Cruzmaltino Meritiense. Iniciaria, em 1999, a função de treinador como auxiliar da equipe júnior e profissional do Everest. Naquele ano, sob o comando de Mário Marques, o time de Inhaúma viria a conquistar o vice-campeonato da Terceira Divisão, perdendo a decisão para o então estreante Angra dos Reis. No ano seguinte esteve à frente dos juniores do Anchieta. Além da categoria de juniores do Heliópolis, comandou o Leopoldina na disputa da Taça Belo Horizonte de Juniores, retornando em seguida ao Alvi-anil de Belford Roxo. Teria ainda outra passagem pelos juniores do Everest, antes de assumir o time profissional do Atlético Tricordiano, ex-Atlético de Três Corações, na disputa da Terceira Divisão de Minas Gerais. A partir de 2010 passou a treinar o Juventus, permanecendo para a temporada deste ano.

Teresópolis ou São João da Barra? Deu Teresópolis!

O critério de classificação pelo uso do índice técnico é responsável por uma enorme dificuldade de compreensão e interpretação que envolve inclusive os próprios funcionários e dirigentes da entidade que rege o futebol do Rio de Janeiro. De acordo com o Regulamento Geral das Competições: “Além das 05 (cinco) associações de cada grupo (A e B) classificadas para a segunda fase da competição, totalizando 10 (dez) clubes, as 02 (duas) associações que complementarão o Grupo C serão classificadas em razão do índice técnico, independentemente do grupo a que pertençam, dentre as melhores colocadas, em ordem decrescente, a partir da sexta colocação de cada grupo (A e B), inclusive.” Interpretamos que os habilitados à segunda fase seriam Estácio de Sá e São João da Barra, os quais atingiram a marca de 3,05. O Teresópolis, com apenas 3,00, ora é apontado pela Federação como o contemplado. A polêmica reside provavelmente nas posições das agremiações na tabela. O Teresópolis totalizou 32 pontos, um a mais que a equipe do Norte Fluminense. O curioso é que a imprensa, incluindo o próprio site da Ferj, citara ainda no sábado o São João da Barra como classificado. Uma reunião realizada na tarde desta terça (3), fechada à imprensa, ratificou a presença do Teresópolis na segunda fase. O São João da Barra promete lutar por seus direitos na justiça desportiva. A segunda fase, portanto, começará no sábado com os seguintes jogos: Angra dos Reis x Estácio, Sendas x Portuguesa, Céres x Serra Macaense, Friburguense x Teresópolis, Barra Mansa x Bonsucesso e Quissamã x Tigres do Brasil. Pelo Grupo da Morte haverá Artsul x Cardoso Moreira, Itaperuna x CFZ do Rio e Mesquita x São Cristóvão.

O eclético Josenildo: de arqueiro reserva a treinador do São Cristóvão

Aos 46 anos, Josenildo Francisco da Silva, conhecido popularmente como Bellot (foto) é o novo treinador do São Cristóvão, já tendo assumido o clube cadete na vitória contra o Serra Macaense na última rodada da primeira fase. Funcionário a alguns anos do clube cadete, ele acumulava as funções de supervisor, treinador de goleiros e era ainda opção no banco de reservas caso o titular Max viesse a sofrer alguma lesão ou fosse punido pela arbitragem. Nascido em Goiana, no estado de Pernambuco, atuou por Novorizontino (SP), Anápolis (GO), Novo Horizonte (GO), Santo André (SP), Portuguesa (SP), XV de Jaú (SP), Atlético Goianiense (GO), Vila Nova (GO), Goiás (GO), Náutico (PE), Porto (PE), Ríver (PI), União Rondonópolis (MT), Portuguesa (RJ), além do próprio São Cristóvão por oito anos. Considerado bom goleiro, sua carreira não obteve projeção maior por conta de sua baixa estatura. Quando ainda atuava na categoria mirim, foi o primeiro goleiro a sofrer um gol de Romário, em partida válida pelo Campeonato Estadual entre América x Vasco, no dia 12 de novembro de 1979.

Escudo da semana: Sepetiba, do Rio de Janeiro


Fundado a 14 de setembro de 1940, o Sepetiba Futebol e Regatas, das cores azul e branca, é presidido por Jorge Vieira de Souza. Localiza-se na Rua da Floresta, 90. Possui um estádio intitulado Centro Esportivo Sepetiba FR que conta com aproximadamente seiscentos lugares. Apesar de pequeno, é acolhedor, avizinhando-se, ao fundo, de uma frondosa mata atlântica. Ivan Lara Rosa, ex-presidente, e atualmente benemérito, é uma figura referencial da agremiação, tendo atuado como atleta, entre outros times, no inesquecível Manufatura Nacional de Porcelana, equipe alvinegra que venceu diversos campeonatos promovidos pelo saudoso Departamento Autônomo. Ele pede para que citemos Carlos Alberto Póvoas e Luiz Cláudio, ambos ex-atletas do Campo Grande, como oriundos do Sepetiba. Os jogadores que ora compõem a categoria de Veteranos chegam de madrugada ao campo para não perderem a vaga no time que já foi filiado à Federação, mas não chegou a disputar nenhum certame do Departamento Autônomo por falta de recursos. Apesar disso, a instituição é um celeiro de craques. Silveira, ex-Fluminense, Luiz Paulo, ex-Flamengo, o qual recentemente foi treinador da Portuguesa, além de Paulo César Gusmão, são todos crias da casa. Outros, segundo Ivan, não tiveram a mesma sorte, não alcançando à merecida notoriedade. É o caso de Bebeto, conhecido como o Príncipe da Folha Seca de Sepetiba, e Mané, detentor de dribles muito precisos. Outro destaque foi o arqueiro Audir, que se destacaria posteriormente no Campo Grande. Hoje, lamentavelmente, se encontra hospitalizado. Agradecemos ao leitor, e amigo de mais de duas décadas, Arthur de Souza Carneiro Neto, de Olaria, pelo envio da foto deste escudo que ganhou nova projeção através do talento criativo do colega Sérgio Mello, do Jornal dos Sports. O histórico fica por conta do simpático Ivan, guardião da memória desta tão importante agremiação, cujo escudo enriquecerá todos os sites especializados do planeta. Para os amigos segue mais um inédito logotipo. Na próxima semana tem mais.

Mínimas

>> O Colúmbia, tradicional agremiação de Duque de Caxias fundada a 16 de abril de 1979, que não disputa certames profissionais desde 2005, pretende retornar no ano que vem. O presidente Paulo Muralha viabiliza apoio financeiro para que o time alvi-anil retorne às competições de âmbito profissional. 100 mil é a taxa para a refiliação.

>> Algumas equipes que disputaram a primeira fase do Campeonato Estadual da Série C não possuem mínimas condições de integrar certames profissionais. Choveram esse ano resultados por WxO, desistências, falta de pagamento à arbitragem, o não comparecimento de ambulâncias ou acessórios, além de muita falta de estrutura para os atletas.

>> Nota 10 para os times que organizam súmulas contendo o trio de arbitragem e ainda separam uma ou mais cópias para os profissionais da imprensa que cobrem as partidas das Séries B e C.

>> Nota 0 - Para os times que sequer sabem produzir uma súmula decente. Um determinado clube da Baixada Fluminense sempre troca a escalação dos atletas. É um tal de entrar jogador em campo com número 15, 16 e 19, quando no documento constam os numerados de 1 a 11. É infração ao artigo 191.

>> O invicto Arraial do Cabo é um dos destaques do Campeonato Estadual Juvenil. Jorge Silveira, que comandou os profissionais do Rio de Janeiro no ano passado é o treinador. O PAPO ESPORTIVO é o único veículo no qual você acompanha os campeonatos de categorias de base que ficam sob a responsabilidade do competente Paulo Roberto Rodrigues.

>> Adílson Ferreira, o popular Adílson Carioca, vice-presidente da Federação e homem sempre atento e ligado ao América, completou no último dia 26 mais uma primavera. Parabéns!

>> O Real Maré, que disputa o Campeonato Amador da Capital e que pode pintar no profissionalismo, foi indicado pela Ferj para a disputa do Quarto Brazil Football Festival, competição masculina da categoria Sub-17 que ocorrerá em Jaú, interior de São Paulo, de 16 a 23 de julho. O clube da Maré é presidido por Sidnei Alves.

>> A segunda fase da Série C terá início no próximo final de semana. As partidas tendem a ficarem mais emocionantes, visto que os piores times já foram eliminados na fase anterior. Muitos de fato não tem a menor condição de integrar o profissionalismo. A disputa promete ser cada vez mais acirrada. Até a próxima semana, amigos!.

* André Luiz Pereira Nunes é professor, pesquisador e historiador do futebol carioca, além de mestrando em literatura brasileira pela UERJ.

>> Email para essa coluna: adrnunes@hotmail.com .

----------------------------------------------------------------------------------------------------------

papoesportivo.com - todos os direitos reservados